sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Portfólio...adote esta ideia!


O portfólio enquanto ferramenta pedagógica pode ser descrito como uma coleção organizada de trabalhos produzidos pela criança, ao longo de um determinado período de tempo, de forma a poder proporcionar uma visão ampla e detalhada da aprendizagem efetuada, bem como dos diferentes componentes do seu desenvolvimento. Reflete também a identidade de cada criança, de cada professor, em cada contexto, enquanto construtores do seu desenvolvimento ao longo da vida. O portfólio auxilia no trabalho com a interdisciplinaridade. Ele é uma forma de avaliar, portanto, antes de pedir para que a criança escreva seu nome, se desenhe, desenhe sua casa, sua rua, seu vizinho, escolhendo o que mais gosta, você precisa trabalhar isso com ela, seja na oralidade ou na escrita. A criança não precisa fazer seus registros direto no portfólio. Pode fazer atividades em uma folha e depois colar. Isso facilitará sua compreensão, de que qualquer atividade que considerar interessante poderá ser anexada, ilustrando ainda mais a concepção de construção que o mesmo oportuniza. No início do portfólio podemos colocar o nome da criança, sua foto, ou desenho e uma apresentação, que pode ser uma pequena produção escrita, um desenho, uma música, um poema, enfim, algo com que ela se identifique e que considere que poderia representar o que pensa e sente. Após a apresentação podem ser colocados dados pessoais da criança, o que auxiliará também na construção de sua identidade. Pode-se colocar o número do sapato, o peso, a altura (que mudarão durante o ano e podem ser registradas novamente – para isso poderemos fazer uma tabela), nome dos pais, cor que mais gostam, brinquedo e comida favoritos, o amigo com quem mais gostam de brincar, o local onde moram (endereço completo), o desenho da casa em uma folha, da rua em outra, o vizinho preferido e colocar o nome dele, dentre outras tantas coisas. Se, em sala, a criança escolhe alguma atividade para compor o portfólio precisa escrever ( o que podia ser feito em casa, com ajuda da família ou em sala, com ou sem o auxílio da professora ou dos colegas) e o porquê que selecionou aquela atividade. Se coloca, por exemplo, que era porque tinha gostado, tem que explicar o motivo. Assim começa as primeiras reflexões escritas. O portfólio deixa claro o processo de aprendizagem da criança. Os pais quando percebem isso, ficam gratos, além de acreditarem nas competências dos próprios filhos. Não é só uma questão de saber os conteúdos, mas de aprender a ser autônomo, a ter criticidade, ser autêntico, organizado, cuidadoso, caprichoso, respeitar a sua própria produção e a do outro, considerando-as como um processo, que tem apenas início, nunca estando pronto ou acabado!

NÃO ESQUEÇA DE COMENTAR!