quinta-feira, 3 de outubro de 2019

Colagem Divertida

MÚSICA COM ARTE...


A PRIMAVERA CHEGOU

A Primavera chegou
Eu sei que ela chegou!
Quem foi que isso me contou,
quem foi que isso me contou?
Os pássaros, os pássaros,
foram eles que me contaram. (Repete) 

Nota: A canção mantém-se, mas no local dos pássaros, podemos cantar tudo o que estiver relacionado com a Primavera.
Por exemplo, borboletas, árvores, flores, etc.

RODA DE CONVERSA

A Roda de Conversa é um elemento muito importante das aulas. Nela os alunos e professor interagem, se conhecem e desenvolvem habilidades da língua falada. A roda pode acontecer todos os dias na primeira semana, nas segundas-feiras, sobre o final de semana, ou no primeiro dia de aula da semana, caso haja feriado. No início começamos com coisas simples. Fazemos a roda para falar sobre o animal que mais gostamos, sua cor preferida, o nome completo, a idade, o endereço, nome do papai, da mamãe, quantas pessoas mora na sua casa, se tem animal de estimação... Pois assim, adquirimos informações das crianças, vemos o seu conhecimento sobre a própria vida, o que precisamos ajudá-la a melhorar na fala, e ainda promovemos o conhecimento e o entrosamento da turma. É muito importante que se comece com pequenas perguntas que permitam respostas curtas. A criança também estará desenvolvendo a capacidade de esperar a vez para falar e ouvir o que o outro está falando. Na segunda semana são permitidas perguntas de umas para as outras, mas só se quiserem. Sempre incentive, mas NUNCA force uma criança a falar. No decorrer do ano a RODA serve também para resolvermos problemas disciplinares, o que leva toda a turma a decidir juntamente com o professor. Em situação de desavenças, na qual o professor não pôde ver quem foram os culpados, testemunhas são fundamentais. Além disso, as crianças desenvolvem senso de justiça, certo e errado, ação e reação, causa e consequência, além de adquirirem mais responsabilidade por suas ações. A RODA também ajuda a iniciar um trabalho, projeto ou aula, para verificar conhecimentos e também avaliá-los. Pode-se fazer uma avaliação prévia do que a turma sabe antes de iniciar um conteúdo, e sondar o que aprenderam com o que estudaram. O mais gostoso da RODA é ver o crescimento dos alunos. Se possível, até para estudo e própria avaliação, grave algumas, intercalando as primeiras, as medianas e as últimas. Verá como as crianças desenvolvem a língua falada, a argumentação, o questionamento e a articulação. No final os alunos, mesmo os mais tímidos, gostam tanto, que lembram o professor, caso ele tenha esquecido. É algo que vale a pena investir...

SUGESTÃO DE PROGRAMAÇÃO SEMANA DA CRIANÇA


SEGUNDA-FEIRA

TEATRO DAS PROFESSORAS / DIA DE FOTOGRAFAR
      -AS PROFESSORAS APRESENTARÃO UMA PEÇA TEATRAL HOMENAGEANDO SEUS ALUNOS!!
     -TODOS DEVERÃO VIR COM UMA ROUPA BEM LINDA, CABELOS FASHION QUE IREMOS CLICAR TODOS OS MODELOS!!

TERÇA-FEIRA

PASSEIO NO TREM DA ALEGRIA 
      IREMOS PASSEAR EM NOSSO BAIRRO NO TRENZINHO MAIS ANIMADO DO BRASIL!!

QUARTA-FEIRA

PASSEIO NO PARQUE BRINCA MUNDI 
    -IREMOS BRINCAR E NOS DIVERTIR NOS BRINQUEDOS DO PARQUE E SABOREAR UM DELICIOSO LANCHINHO!!

QUINTA-FEIRA 

CIRCUITO DE ATIVIDADES / DIA DA BESTEIRA 
     TARDE ANIMADA COM: PINTURA FACIAL / SHOW DE DANÇA / BRINCADEIRAS AO AR LIVRE / VÍDEO MANIA / OFICINA DE ARTES 
     -UM DIA PODE!” NOS DELICIAREMOS COM DIFERENTES GULOSEIMAS!!

SEXTA-FEIRA

DIA DE FESTA SURPRESA 
    -A TARDE SERÁ DE MUITA DIVERSÃO NA FESTA SURPRESA, DEDICADA A TODAS AS CRIANÇAS PELO SEU DIA!!
FELIZ DIA DAS CRIANÇAS!

ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO INFANTIL



-->
Na educação infantil, as práticas pedagógicas precisam realizar uma conexão entre o processo de alfabetização das crianças e o mundo real, construir uma concepção de ensinar a ler e a escrever no próprio contexto das práticas sociais da leitura e da escrita
Se no discurso teórico-pedagógico já superamos a dúvida sobre alfabetizar ou não na pré-escola, ainda temos muito que questionar as práticas cotidianas de alfabetização utilizadas com crianças pequenas, incluindo sua relação com as outras linguagens. No que diz respeito às práticas pedagógicas, sabemos que as mudanças acontecem de maneira lenta. Pela falta de uma teoria capaz de orientar a compreensão do processo educativo em sua complexidade, acabam-se reproduzindo práticas tradicionais de caráter naturalizante, o que, por sua vez, limita o pensar e o agir pedagógicos do professor a uma concepção reducionista e superficial do desenvolvimento humano. O fenômeno da alfabetização sempre esteve correlacionado à preocupação de definições de métodos, o que proporcionou uma exacerbada padronização das aprendizagens, negando as singularidades e as heterogeneidades das crianças e desconsiderando o fim social da escrita e da leitura. Pode-se dizer que as práticas dos professores alfabetizadores eram reforçadas por concepções advindas de diferentes métodos. Em oposição a esse contexto, a partir da década de 1980, passamos a contar com um grande número de pesquisas, fomentadoras de um amplo debate sobre o tema da alfabetização. Muitas das análises apontam que, além da definição de um método, é importante compreendermos como a criança constrói seus conceitos sobre a língua escrita. A maior importância atribuída aos processos de aprendizagem das crianças abre caminho para questionarmos as concepções de alfabetização dos professores que são determinantes de seu pensar e agir pedagógicos. Podemos dizer que, ao questionar como as crianças aprendem, intrinsecamente ocorre o seguinte questionamento: como os professores ensinam? Tal perspectiva esclarece-nos que a alfabetização é um processo complexo e que não tem idade para acontecer, sobretudo se entendemos que a alfabetização não se dá simplesmente pelo treino das habilidades de "decodificação" e "codificação" de códigos. Minha visão de alfabetização considera a escrita e a leitura como instrumento cultural complexo e interligado às diversas experiências sociais e culturais que circunscrevem o mundo infantil. Falo do escrever como registrar vivências, expressar sentimentos e emoções, ou seja, como comunicação. Na educação infantil, as práticas pedagógicas precisam realizar uma conexão entre o processo de alfabetização das crianças e o mundo real, construir uma concepção de ensinar a ler e a escrever no próprio contexto das práticas sociais da leitura e da escrita, inserindo as crianças em um contexto amplo, rico, fecundo e permeado de múltiplas linguagens, as quais automaticamente as levarão à linguagem escrita. Isso me leva a afirmar que fazer um gesto, um desenho, uma pintura, uma gravura, um movimento, uma dança, uma escultura, uma maquete, brincar de faz-de-conta, decifrar rótulos, seriar códigos, ouvir histórias, elaborar listas, discutir impressões de notícias de jornal, elaborar cartas, trabalhar com receitas, realizar visitas a bancos, museus e supermercados, conviver e interagir com gibis, livros, poesias, parlendas, ouvir música, enfim, a interação com as diferentes linguagens é essencial e antecede as formas superiores da linguagem escrita. O desenvolvimento de tais atividades esclarecerá às crianças a importância e o funcionamento da escrita em nossa sociedade, desenvolvendo capacidades necessárias para a sua apropriação. Isso poderá motivá-las a querer conhecer mais, querer aprender a ler e escrever de maneira prazerosa e satisfatória. O papel da escola intensifica-se, enquanto a prática de ensinar complexifica-se. Ressalto a importância de as crianças conviverem com a leitura e a escrita cotidianamente, pois assim a prática pedagógica do professor se voltará para a função social da escrita e da leitura. Pode-se afirmar que, antes de se ensinar a ler e escrever, é preciso desenvolver na criança tal necessidade. Concordo com Mello (2005) quanto ao fato de que só assim o leitor será capaz de ler ideias, e não apenas palavras compostas de sílabas em um texto. Da mesma forma, ao escrever, registrará ideias, e não apenas grafará palavras. Nesse caso, é preciso avançar no ensino da escrita, que geralmente acontece na escola por meio de exercícios de repetições, preenchimento de letras, treino das sílabas, junção de vogais, ou seja, tarefas de treino de escrita de letras, sílabas e palavras que não constituem atividades de expressão. A leitura e a escrita fazem parte da linguagem do ser humano e, ao serem desenvolvidas, é importante que estejam correlacionada às outras linguagens. Tomemos a oralidade como exemplo. Ela envolve as pessoas e, sendo compreendida em uma comunicação recíproca, pode provocar o processo de alfabetização. Digo isso pelo fato de a escrita ser uma representação da fala, que, por sua vez, representa a realidade. A oralidade é uma linguagem fundamental nas relações entre professores e crianças e das crianças entre si, porém é ainda pouco discutida na educação infantil. Nessa etapa, tanto o movimento quanto as expressões verbais e não verbais estão fomentando simultaneamente o desenvolvimento infantil. A linguagem oral precisa provocar a expressão das crianças e, para tal desenvolvimento, a criança precisa conviver, participar e falar. Para que essa tríade seja estabelecida, cabe ao professor motivar a participação ativa das crianças, vendo-as como sujeitos capazes de aprender e de se desenvolver. A fala não é representada apenas pela voz, mas de diversas maneiras, e os profissionais que atuam nos contextos educativos precisam fazer as interpretações. Paralelamente à linguagem da oralidade caminha a educação da sensibilidade, da percepção, da concentração e da atenção. Ouvir ou falar não é tão fácil como parece. É nesse contexto de complexidades que quero adentrar. O desenvolvimento da oralidade contribui para que o professor se aproxime das crianças e para que essa aproximação possibilite ouvi-las atentamente. Ao fazer isso, o professor terá a oportunidade de conhecer e interpretar o mundo social e cultural das crianças, ou seja, terá a chance de desvendar o que elas pensam, sentem, falam e fazem. Essa prática - meio de desencadear o pensar e agir pedagógicos - permite ao professor ler a realidade que circunscreve as ações infantis, o que, por conseguinte, favorece-lhe a promoção de atividades significativas que envolvam as crianças em sua realização. Discordo por completo da didatização das atividades e do modelo tradicional burguês de seleção de conhecimentos. Chamo atenção para a importância de elaborar atividades produtivas, interligadas às experiências culturais e sociais das crianças. Nesse sentido, cito Vygotsky (1998), que considera primordial o trabalho no campo educacional quando proporciona o desenvolvimento do conhecimento científico, porém alerta que este deve ser construído a partir dos conceitos trazidos pelas crianças, pois possibilita o processo de elaboração conceitual. Portanto, a análise das experiências culturais e sociais das crianças é ponto de partida, e não de chegada. Isso permite que elas saiam de sua indiferenciação inicial para se apropriar de novos conceitos. Interligar a oralidade e as experiências culturais das crianças aos processos de alfabetização parece-me uma possibilidade positiva para romper com o temor da própria alfabetização, a qual historicamente acompanha a vida das crianças e as práticas dos professores. Mello (2005) salienta que, sem exercitar a expressão, o escrever fica cada vez mais mecânico: sem ter o que dizer, a criança não tem por que escrever. Nesse sentido, o processo de alfabetização começa muito antes da primeira vez em que o professor coloca um lápis na mão da criança e mostra-lhe como formar letras. Rompemos, assim, com a ideia de que a criança só deve escrever quando o professor mandar. No contexto da escola infantil, isso provoca um efeito positivo nos processos de alfabetização, pois a aquisição do código escrito passa a ser compreendida como atividade de expressão, comunicação e registro de experiências. É preciso pensar a alfabetização para além de uma gama infindável de distorções, arbitrariedades, interpretações que enfatizam a técnica em detrimento de sua função social e cultural. Isso exige que conectemos a escrita ao mundo real da criança, não separando algo que está social e culturalmente interligado. Por isso, vejo a oralidade a e alfabetização de maneira indissociável e complementar: duas linguagens humanas que formam uma só.
Altino José Martins Filho

VAMOS FAZER UM LIVRO COLETIVO?


Leilão de Jardim

Quem me compra um jardim com flores?
Borboletas de muitas cores,
lavadeiras e passarinhos,
ovos verdes e azuis nos ninhos?

Quem me compra este caracol?
Quem me compra um raio de sol?
Um lagarto entre o muro e a hera,
uma estátua da Primavera?

Quem me compra este formigueiro?
E este sapo, que é jardineiro?
E a cigarra e a sua canção?
E o grilinho dentro do chão?
(Este é o meu leilão.)


Cecília Meireles



(Livro produzido por Sheila Rocha)

SUGESTÕES DE MURAIS - PRIMAVERA

SILVANA
ANGELA
LEANA
CEI 45
CEI 45
MARY
TERESA
(clique nas imagens para ampliar)

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

EXPOSIÇÃO FOLCLORE

FOLCLORE

FOLCLORE EM ARTE...

(CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR)

PROJETO FOLCLORE - CANTORIAS DO BOI DE MAMÃO

BOI DE MAMÃO

CANTORIAS.
A cantoria atual é quase a mesma para todos, com pequenas variações de grupo para grupo.
Catoria inicial:VAMOS MORENINHA, VAMOS ATÉ LÁ,VAMOS LÁ NA VILA, PARA VER MEU BOI DANÇAR  (bis)
EU CAIO, EU CAIO NA BOCA DA NOITE SERENO EU CAIO (bis)A FOLHA DO LIMÃO VERDE TEM CHEIRO DE LIMÃO MORENA ME DÁ UM BEIJO QUE EU TE DOU MEU CORAÇÃO (bis)
EU CAIO, EU CAIO NA BOCA DA NOITE SERENO EU CAIO (bis)
A ENTRADA DO BOI
TE LEVANTE BOI MALHADO, TE LEVANTA DEVAGAR – Vem cá meu boi, vem cá
TE LEVANTA DEVAGAR QUE É PRA NÃO ESCORREGAR – Vem cá meu boi, vem cá
O MEU BOI É DE MAMÃO DA CABEÇA ATÉ O CHÃO – Vem cá meu boi, vem cá
OLHA A VOLTA QUE ELE DEU OLHA A VOLTA QUE ELE DÁ  – Vem cá meu boi, vem cá
ESSE BOI É DE MAMÃO FAZ A TUA OBRIGAÇÃO – Vem cá meu boi, vem cá
ESSE BOI É DE FOLIA DÁ GALHADA NA GURIA – Vem cá meu boi, vem cá
TE APRESE SEU MATEUS BOTA ESSE BOI NO CHÃO – Vem cá meu boi, vem cá
A MORTE DO BOIO MEU BOI MORREU, QUE SERÁ DE MIM, MANDA BUSCAR OUTRO, MANINHA, LÁ NO PIAUÍ (Bis)
UM MINUTO DE SILÊNCIO, PRO BOIZINHO QUE MORREU, VOU CHAMAR O SEU DOUTOR, PRA VER O QUE ACONTECEU
Oração da benzedura.Eu benzo o meu boi, Com um galho de alecrim, Senhor dono da casa, Não se esqueça de mim!
A RESSURREIÇÃO DO BOITE LEVANTA BOI MALHADO, TE LEVANTE DEVAGAR – Vem cá meu boi, vem cá
TE LEVANTA DEVAGAR QUE É PRA NÃO ESCORREGAR – Vem cá meu boi, vem cá
OLHA A VOLTA QUE ELE DEUOLHA A VOLTA QUE ELE DÁ – Vem cá meu boi, vem cá
ESSE BOI NÃO É DAQUIÉ DO SERTÃO DO PIAUÍ – Vem cá meu boi, vem cá
TE APRESENTA SEU CAVALO TUA HORA VAI CHEGAR – Vem cá meu boi, vem cá
A ENTRADA DO CAVALINHOO MEU CAVALINHO ELE JÁ CHEGOU E O DONO DA CASA JÁ CUMPRIMENTOU
O MEU CAVALINHO (o meu cavalinho) DO PÊLO VERMELHO (do pelo vermelho) POIS QUEM MONTA NELE É UM CAVALEIRO
O MEU CAVALINHO ELE JÁ CHEGOU E O DONO DA CASA JÁ CUMPRIMENTOU
O MEU CAVALINHO (o Meu cavalinho) CAVALO BONDOSO (cavalo bondoso) POIS QUEM MONTA NELE É MOÇO BONDOSO
O MEU CAVALINHO ELE JÁ CHEGOU E O DONO DA CASA JÁ CUMPRIMENTOU
O MEU CAVALINHO (o meu cavalinho) CAVALO LIGEIRO (cavalo ligeiro) VAI LAÇAR O BOI DENTRO DO TERREIRO
O MEU CAVALINHO ELE JÁ CHEGOU E O DONO DA CASA JÁ CUMPRIMENTOU
O MEU CAVALINHO (o meu cavalinho) ESTÁ CHEGANDO A HORA (ta chegando a hora)  BOTA O BOI NO LAÇO NÃO TENHA DEMORA
O MEU CAVALINHO ELE JÁ CHEGOU E O DONO DA CASA JÁ CUMPRIMENTOU
O MEU CAVALINHO (o meu cavalinho) NÃO TENHA DEMORA (não tenha demora) BOTA O BOI NO LAÇO SAI DE PORTA AFORA
O MEU CAVALINHO ELE JÁ CHEGOU E O DONO DA CASA JÁ CUMPRIMENTOU
O MEU CAVALINHO ELE JÁ CHEGOU E O DONO DA CASA JÁ CUMPRIMENTOU
A VEZ DA CABRINHAE O VAQUEIRO CHAMA A CABRA, Ê CABRA, Ê CABRA
CHAMA A CABRA PRO SALÃO, Ê CABRA, Ê CABRA
ESSA CABRA NÃO BERRA, Ê CABRA, Ê CABRA
QUERO VER ELA BERRAR, Ê CABRA, Ê CABRA
DÁ UM PULO E DÁ UM BERRO, Ê CABRA, Ê CABRA
ELA COMEU MINHA PARREIRA, Ê CABRA, Ê CABRA
ELA ESTÁ COM CAGANEIRA, Ê CABRA, Ê CABRA
Ê CABRINHA DANADA, Ê CABRA, Ê CABRA
DÁ GALHADA NO VAQUEIRO, Ê CABRA, Ê CABRA
Ô VAQUEIRO DA CABRINHA, Ê CABRA, Ê CABRA
FAZ A TUA OBRIGAÇÃO, Ê CABRA, Ê CABRA
PEGA A CABRA PELO GALHO, Ê CABRA, Ê CABRA
DÁ UMA VOLTA NO SALÃO, Ê CABRA, Ê CABRA
DÁ UMA VOLTA E VAI EMBORA, Ê CABRA, Ê CABRA
TUA HORA JÁ CHEGOU, Ê CABRA, Ê CABRA
DÁ UM PULO E VAI EMBORA, Ê CABRA, Ê CABRA
TUA HORA JÁ CHEGOU, Ê CABRA, Ê CABRA
DÁ UM PULO E VAI EMBORA
LÁ VEM A BERNUNÇABERNUNÇA MINHA BERNUNÇA, BERNUNÇA DO CORAÇÃO, BERNUNÇA SÓ DANÇA BEM, QUANDO ENTRA NO SALÃO
Refrão
OLÊ, OLÊ, OLÊ, OLÊ, OLÁ, ARREDA DO CAMINHO, QUE A BERNUNÇA QUER PASSAR
TAVA DEITADO NA SOMBRA,QUANDO OUVI FALAR EM GUERRA, QUANDO ACABA ERA A BERNUNÇA,QUE VINHA DESCENDO A SERRA
OLÊ, OLÊ, OLÊ, OLÊ, OLÁ, ARREDA DO CAMINHO, QUE A BERNUNÇA QUER PASSAR
A BERNUNÇA É UM BICHO BRABO, JÁ ENGOLIU MANÉ JOÃO, COME PÃO, COME BOLACHA
COME TUDO QUE LHE DÃO
OLÊ, OLÊ, OLÊ, OLÊ, OLÁ, ARREDA DO CAMINHO, QUE A BERNUNÇA QUER PASSAR
OH, SENHOR DONO DA CASA, VENHA NA PORTA DA FRENTE, VENHA VER A BRINCADEIRA, DO BICHO QUE ENGOLE GENTE
OLÊ, OLÊ, OLÊ, OLÊ, OLÁ, ARREDA DO CAMINHO, QUE A BERNUNÇA QUER PASSAR
BERNUNÇA QUE DANÇA BEM, ENTÃO PRESTE ATENÇÃO, DÁ UMA OLHADA EM TUA VOLTA, E ENGOLE ESSA MULTIDÃO
OLÊ, OLÊ, OLÊ, OLÊ, OLÁ, ARREDA DO CAMINHO, QUE A BERNUNÇA QUER PASSAR
OH, SENHOR DONO DA CASA, VENHA NA PORTA DOS FUNDOS, VENHA VER A BRINCADEIRA, DO BICHO QUE ENGOLE O MUNDO
OLÊ, OLÊ, OLÊ, OLÊ, OLÁ, ARREDA DO CAMINHO, QUE A BERNUNÇA QUER PASSAR
A MARICOTA.
FIZEMOS UM BAILE DE REIS, FIZEMOS UM BAILE DE COTA, ESTÁ CHEGANDO A HORA DE DANÇAR A MARICOTA, ESTÁ CHEGANDO A HORA, DE DANÇAR A MARICOTA
A MARICOTA É MOÇA, É MOÇA E VAI SE CASAR, UMA MOÇA TÃO BONITA, MAIS PARECE UM PAU-DE-FITA
UMA MOÇA TÃO BONITA, MAIS PARECE UM PAU-DE-FITA
FIZEMOS UM BAILE DE REIS, FIZEMOS UM BAILE DE COTA, ESTÁ CHEGANDO A HORA DE DANÇAR A MARICOTA
ESTÁ CHEGANDO A HORA, DE DANÇAR A MARICOTA
DONA MARICOTA, NARIZ DE PIMENTÃO, DEIXOU CAIR AS CALÇAS, NO MEIO DO SALÃO, DEIXOU CAIR AS CALÇAS
NO MEIO DO SALÃO
FIZEMOS UM BAILE DE REIS, FIZEMOS UM BAILE DE COTA, ESTÁ CHEGANDO A HORA DE DANÇAR A MARICOTA
ESTÁ CHEGANDO A HORA, DE DANÇAR A MARICOTA
A DONA MARICOTA, É MOÇA TÃO BONITA, ELA SÓ DANÇA BEM, COM SEU VESTIDO DE CHITA, ELA SÓ DANÇA BEM
COM SEU VESTIDO DE CHITA
FIZEMOS UM BAILE DE REIS, FIZEMOS UM BAILE DE COTA, ESTÁ CHEGANDO A HORA DE DANÇAR A MARICOTA
ESTÁ CHEGANDO A HORA, DE DANÇAR A MARICOTA
A NOSSA MARICOTA, ELA É TRABALHADEIRA, AQUI VAI NOSSA HOMENAGEM, ÀS MARICOTAS RENDEIRAS
AQUI VAI NOSSA HOMENAGEM, ÀS MARICOTAS RENDEIRAS
OLE MULHER RENDEIRA, OLE MULHER RENDA, TU ME ENSINAS A FAZER RENDA, QUE EU TE ENSINO A NAMORAR, TU ME ENSINAS A FAZER RENDA, QUE EU TE ENSINO A NAMORAR
FIZEMOS UM BAILE DE REIS, FIZEMOS UM BAILE DE COTA, ESTÁ CHEGANDO A HORA, DA MARICOTA IR EMBORA, ESTÁ CHEGANDO A HORA, DA MARICOTA IR EMBORA
CANTIGA FINAL
E TODOS OS BICHOS NO SALÃO, OI CIDADE SIM, OI CIDADE NÃO, EU QUERO VER BOI-DE-MAMÃO, OI CIDADE SIM
OI CIDADE NÃO, O NOSSO BOI JÁ VAI EMBORA, OI CIDADE SIM, OI CIDADE NÃO, MEIA-LUA DENTRO, MEIA-LUA FORA
SENHOR DONO DA CASA, NOSSO BOI JÁ VAI EMBORA (Bis)
EU CAIO, EU CAIO, NA BOCA DA NOITE, SERENO EU CAIO (Bis)

FOLCLORE DA ILHA - LAGUSTA LAGUÊ

PROJETO FOLCLORE


No mês de agosto, iniciaremos um novo projeto com o tema Folclore!
Sabe quem apresentará este tema? 
Pois é, o Chico Bento! (professora representando o personagem) Ele irá nos apresentar um grande amigo seu, o Saci, (boneco construído com material reciclado) que ficará pertinho de nós, todos os dias contando causos e coisas “do tempo da vovó...”. Do tempo da vovó não!!! Do tempo do papai e da mamãe... 
O Saci também irá a cada dia para a casa de uma criança, e fará suas famosas estripulias... No dia seguinte, trará para a escola algo da família visitada, lembranças de infância, recordações de momentos bem vividos... As crianças irão se encantar e se divertir com as histórias de seus pais!
O Saci poderá trazer coisas divertidas, maravilhosas e deliciosas: brigadeiro, bilboquê, passa-anel, balança-caixão, bolinho de chuva, bolo de fubá, cantigas de roda, bolo de chocolate, pião, e muito mais... 
Este envolvente projeto contará com as valiosas contribuições dos pais: quitutes, brinquedos, cantigas e brincadeiras... tudo isso passado de pai para filho... 
(Professora: Não esqueça de registrar os relatos das crianças sobre a visita do Saci às suas casas!)

NÃO ESQUEÇA DE COMENTAR!